54 anos de capital do quadradinho

Nathália Coelho - Parque da Cidade / 1993

Brasília, cidade onde Deus quis que nascesse, vou te confessar, já pensei em te largar.  Ainda penso de vez em quando. Mas não é uma deserção raivosa. É saudosa. Igual filho que cria asas e sai de casa. E depois volta para o ninho. Por enquanto, os planos ficam no coração, dividindo espaço com o amor ao seu mar de céu, sua beleza arquitetônica, sua graça em fazer amigos e retribuir oportunidades para quem sabe agarrar. 
Fica ainda compartilhada a minha gratidão por tudo que tenho vivido aqui e ainda viverei, pois é fato, por vezes nossa alma se atrasa, e sente saudade do que não viveu, ou se adianta e caminha na frente do corpo. 
Trago ainda a alegria de suas auroras e crepúsculos dentro e fora de mim. 
O prazer das noites de sono. A graça dos risos gratuitos. Os amores em movimento. A infância e os livros. A adolescência e os sonhos. O início da maturidade e o trabalho. As notícias. O calor. As chuvas intermináveis. 
Embora tenha trazido tristezas, minha família te acolheu, vive e é feliz! E já nos fez berço daqui. 
Te desejo verdade. 
Parabéns! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

A paixão de Jesus nos dias de hoje