Pular para o conteúdo principal

Postagens

Destaques

Crônica

"Não era assim que sonhava escrever. Os livros sempre foram a janela por onde eu escapa..."
Agora chora no colo da patroa. Esquece ele fica louca, louca, agora chora no colo da...
Concentra. É só um jovem com fone de ouvido ao lado no ônibus. Solavanco. 
Põe aquela roupa e um ba...
"Escapava dessa mãe que agora, enquanto escrevo com o sangue pingando, me espreita atrás da porta. Desde criança..."
Despacito! Tananananana Despacito. Tanananan Despacito. Deeeeeeeespacito.
Respira. Olha o pôr do sol na janela por entre os prédios do Sudoeste. Calma.
"Quando um abro um livro não estou mais aqui. Não é metáfora pra mim. Talvez o chef..."
Barulho de sirene. Vindo do fone do rapaz. Axé quebradeira. É quebradeira. É quebradeira. Aí mainha.
Crack! É mesmo. A sandália quebrou. E não enfrentei a escada do ônibus, a passarela, o beco, a pista, o corredor até o elevador do prédio. Mantra da tranquilidade. Olha o sol de novo. É só um sapato.
Whatsapp. Apita uma. Duas. Três. Quatr…

Últimas postagens

O silêncio do jaleco

Os bastidores das flores e da notícia

Não colecione troféus

Teu corpo, tua alma

Viva

Amor e Conflitos

Poema de terça-feira

Amando-se.

Re-habito

Artigo gostoso