É amor.

Você sabe que é amor (vindo de Deus) quando tão despretensiosamente anseia pela liberdade - em todos os sentidos da palavra - do outro. Você sabe que é amor quando tão despretensiosamente se esvazia por completo para compreender o sentimento, não em si, mas na pessoa amada. Você sabe que é amor quando tão só deseja a felicidade do outro sem querer necessariamente vinculá-la à sua ideia de felicidade. Porque amar, de fato, é um despreender-se por completo das amarras do egoísmo e da vaidade que te prendem à sua mesquinhez. Os mais firmes laços de amor são invisíveis aos olhos mas completamente e indubitavelmente não perecíveis ao coração. (...)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

A paixão de Jesus nos dias de hoje