Sobre o eu (2)




Foto: Nayara Isabel / Pousada Gammel Dansk - Búzios/RJ

É na minha completude que compreendo a fragmentação do meu eu. É na minha inteireza que consigo entender que sou argila nas mãos do escultor. Ao encarar minha imagem no espelho sei que o reflexo de mim mesmo aponta horizontes ainda desconhecidos. Fui ontem. Hoje sou de maneira diferente. Amanhã mudarei também. A vida é tijolo de construção posto em ação num muro eternamente inacabado. Que meus olhos sejam como os da criança que enxergam todas as coisas em processo de nascimento. Que a mente possa entender que, como um dia divagou um estudioso, a única coisa permanente é a mudança.

Comentários

  1. Por trás de um computador de um óculos de proporções encantadoras existe um talento que precisa ser visto, hein!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno, muito obrigada por suas palavras... de <3

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

A paixão de Jesus nos dias de hoje