Mãe.

A mãe estava cansada. Cansada de ser tão mãe. De se preocupar tanto. De amar demais. De doar e ir além. Não é que queria abdicar da maternidade. Pelo contrário, estava tão impregnado aquele amor que não se via sem ele. E sentia que, como fora uma mulher independente outrora, nunca mais haveria de ser.  Era misto de saudade, temor e coragem forçada ao encarar o futuro. Olhava para a pequena e inflava o peito de afeto. As mãozinhas, o pezinho gordo. Tudo era tão lindo e minúsculo, tão indefeso, tão necessitado de cuidado. Tão necessitado dela. E a mãe, da menina. Uma relação que nunca mais se separaria. Era como se um pedacinho da mãe vivesse fora do corpo. Um coração batendo no exterior do peito que podia aninhar em seus braços e cobrir do frio. Acovardou-se diante da vida. Agora, nem mesmo o direito de morrer tinha. Quem se preocuparia com seu pingo de gente como ela o faz?

O cansaço estava nas coisas que em nove meses teve de aprender a fazer. Estava nas noites mal dormidas para velar o sono da pequenina. A dor era física pelo acúmulo de atividades. Mas a mente curiosamente estava serena, embora permeada pela medo da novidade dos dias. E cada manhã era uma batalha vencida. Acordava, dava de mamar, calava o choro, trocava fraldas, lavava roupinhas, cozinhava, limpava o quarto, ligava o som em músicas infantis, fazia a menina dormir novamente, passava as roupinhas limpas, arrumava o armário, dava de mamar outra vez, brincava um pouco. A noite caía. O marido chegava. Cuidava dele também. Jantavam. Nem mesmo a novela via mais. Entendera: estava cansada porque era ser humano. E, sendo assim, o corpo respondia aos excessos. Nada tinha a ver com o ponto de luz que veio de seu ventre.

A cada balanço dos braços, a cada acorde de uma música de ninar, a cada fralda trocada, inflava-se dentro dela a sensação de futuro. E um futuro cheio de cansaço. O que ela mais queria era nunca mais abdicar dessa situação em que se viu inserida. E finalmente sorriu. Riu de felicidade. Entendera o sentido da vida. Louvou a Deus pela graça. E agradeceu o cansaço. Afinal, o que era essa sensação diante do amor materializado na pequena? Ela tinha que ser inteiramente dela, enquanto aquele coraçãozinho respirasse. Sabia que mais tarde, deveria lidar com a separação do voo da maturidade da filha, mas isso pensaria em outra hora.

Por agora, ela era sua. Da maneira mais sublime. Da forma de amor mais genuína do mundo. E bastava. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

A paixão de Jesus nos dias de hoje