AS COISAS


Eu quero uma casa com janelas
de madeira, alumínio ou vidro - não importa
desde que por elas amanheça, e anoiteça
e eu me apoie, e pela luz seja inteira.
Eu quero um carro
duas ou quatro portas - não importa
desde que por ele eu possa levar a mim,
minha vó, meus irmãos, meus amigos
em seus compromissos.
Eu quero um celular
caro ou barato, ios ou android - não importa
desde que as ondas eletromagnéticas
e os dados da internet carreguem
significado e cordialidade
em forma de palavras -
ditas e escritas
Eu quero roupas e sapatos
da loja, da feira, do brechó ou doados - não importa
desde que me vistam corpo e alma
e entre eles promovam sintonia.
Eu quero viajar
de ônibus, de carro, de avião
para hotel ou pousada e casa de família - não importa
desde que a bagagem seja recheada de experiência
e pela vivência fora, eu me preencha.
Eu quero uma casa, somente.
concreto, alvenaria. - não importa
desde que seja um lar. Um lar.
Eu quero as coisas. Para viver.
Não viver para as coisas.
Eu quero as coisas. Para conduzir...
Não me conduzir pelas coisas.
Eu quero ser dono das coisas.
E não deixar que as coisas sejam donas de mim.
(Nathália Coelho)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

Re-habito