Do intangível.

Existe sempre algo mais quando dois corações se amam em verdade,  e aqui me refiro a todos os tipos de amor. Existe um olhar que salta e paira no ar quando os olhos conseguem enxergar a alma que habita o corpo. São as entrelinhas entre duas pessoas.

É aquilo que há, mas só se pode sentir,  sem pegar, sem ver. Quando o sentimento tem raiz profunda,  uma fonte magnética faz com que a troca de energia permaneça em uma constância, à medida que ambos possam ficar envoltos dessa força geradora de tudo que torna a relação sagrada e duradoura.

Pode ser uma viagem tudo isso, em tempos de superficialidade,  mas ainda é possível acreditar naquilo em que meus olhos insistem em não ver, minha boca teme em falar, mas o coração intui haver.

Talvez seja por isso que o abraço, o carinho, o beijo, o zelo, a intimidade significada  sejam capazes de tantos milagres...  porque tudo materializa o intangível. 

Por isso ainda vale insistir no amor. Vale. Por isso ainda vale crer em Deus. Por isso ainda vale querer ser de verdade, real. Por isso ainda vale o mergulho na vida, do que entrar na onda de viver às margens.

Vou conta a maré!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

Re-habito