Da coragem



Chega um momento na vida que o destino lhe impele à coragem. E seus pés não mais obedecem as ordens da mente. Seguem as instruções do alto. Claro, de baixo também, depende da sua sintonia. Mas é mais ou menos assim: "Não, não consigo. Vou deixar quieto. Como vou me portar em tal lugar e falar com tal pessoa?" 

E o murmúrio acontece enquanto já está caminhando inerentemente aonde deve estar. Aí você chega. Com medo, mas chega. E também não entende como está lá. Mas está. Provavelmente o seu anjo é quem te empurra e segura seu braço. E diz: "Fica aí, depois você entende." E você vai ficando, ficando. 

De repente, do nada, a transformação se deu. E você já não é mais aquela pessoa. A mudança foi gradual e silenciosa, mas foi. Está sendo. E até o processo das coisas fica mais claro. Os olhos começam a enxergar a rede de forças agindo em sua vida. Misteriosamente. Curiosamente. 

E você já não tem mais domínio sobre os fatos. E entende que a esteira invisível da estrada vai te levando para onde deveria estar. E você se deixa levar. E não mais teme o futuro porque você vive o presente. E também já não sabe como tudo vai se dá, mas sabe que vai. E já nem compreende o que vem pela frente, mas vislumbra com confiança. 

E é aí que se percebe Deus agindo. Deus agindo. (...)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sadomasoquismo e sociedade

Poema de terça-feira

Re-habito